26, março de 2017
Últimas Notícias
Capa >> Secretarias >> Saúde >> Equipe de Combate a Dengue de Tremembé informa população sobre procedimentos adotados na luta contra o mosquito
Equipe de Combate a Dengue de Tremembé informa população sobre procedimentos adotados na luta contra o mosquito

Equipe de Combate a Dengue de Tremembé informa população sobre procedimentos adotados na luta contra o mosquito

Com o verão, a incidência de casos de dengue na região cresce abruptamente, e diante desta situação algumas providências são tomadas pela a Equipe de Combate a Dengue de Tremembé, a fim de tentar conter os casos e impedir uma epidemia no município.

Até 13/03/2014 Tremembé tem 216 notificações, sendo que destas 37 casos são confirmados, 20 negativos, e 113 suspeitos.

A partir das notificações de casos suspeitos de dengue, são direcionadas as ações de bloqueios contra criadouros (BCC) no município.

As notificações chegam até a Equipe de Combate a Dengue por intermédio da Vigilância Epidemiológica (VE), a qual recolhe de todas as portas de entrada do município (hospitais, pronto-atendimentos, consultórios) e de outros municípios que encaminham as notificações realizadas por eles.

É importante lembrar que uma vez o paciente esteja com suspeita de dengue, não significa que o diagnóstico esteja confirmado, para isso é necessária a realização do exame específico para dengue. Para a confirmação e descarte de casos suspeitos de Dengue são realizados geralmente 2 tipos de exames: NS1 realizado nos primeiros dias de sintomas (1º até o 3º dia);  IgM realizado a partir o 6º dia de sintomas.

O paciente com suspeita de dengue recebe orientação da data correta para a coleta do exame, que pode ser realizado na VE – Vigilância Epidemiológica, localizada Praça da República, 361 – Centro, das 7h às 13h, ou na unidade do ESF mais próximo.

É de extrema importância que o paciente com suspeita de dengue realize esse exame específico para dengue, pois só com esse resultado teremos a confirmação do caso, e a tomaremos as medidas necessárias para o controle de novos casos. É importante ressaltar que somente com o hemograma, não é possível obter a confirmação do diagnóstico de dengue.

A partir do recebimento da notificação, os agentes realizam a investigação do caso suspeito de dengue, onde tem a oportunidade de confirmar o endereço do paciente. Uma vez confirmado o endereço, a Equipe organiza-se para a realização o mais breve possível de todos os Bloqueios.

Durante a entrevista com o paciente, é entregue ao mesmo um panfleto com as orientações em caso de suspeita de dengue, com os sintomas e sinais de alerta, além das recomendações, como a hidratação adequada.

Os Bloqueios Contra Criadouros são iniciados o mais breve possível, após o recebimento da notificação de suspeita de dengue, e os Bloqueios de Nebulização são realizados SOMENTE mediante a confirmação por exame de sangue.

Sendo assim, a Equipe só poderá atender a pedidos de aplicação de inseticida, se houver algum caso de dengue confirmado no local. O “fumacê” que antigamente era adotado em muitas cidades, hoje é PROIBIDO pela SUCEN – Superintendência de Controle de Endemias, e somente com um caso confirmado, é que a SUCEN libera o inseticida ao município para a realização da nebulização.

A seqüência para a realização dos bloqueios varia conforme a data dos primeiros sintomas de cada paciente. E áreas com transmissão intensa e grandes números de casos, tem prioridade no atendimento com os bloqueios. Áreas como a rural, onde não há infestação do vetor, tão pouco casos confirmados, terão os bloqueios realizados conforme a demanda.

Em casos de bairros onde se verifica uma grande expansão da doença, os raios de abrangência dos bloqueios serão sempre ampliados, e medidas emergenciais, como uma nebulização mais intensa, poderão ser adotadas com o intuito de se controlar os casos naquela região.

No verão é comum o aumento no número de mosquitos, devido às altas temperaturas e à grande incidência de chuvas. Portanto é muito importante estar atento e vistoriar periodicamente seu imóvel, eliminando todo e qualquer tipo de recipiente que possa acumular água, realizar manutenção de calhas e caixas d’água, não manter pratinhos de planta, clorar e telar ralos, não acumular materiais inservíveis, etc.

Não deixe água parada e em caso de febre, dor de cabeça, dor nos olhos e nas articulações, procure atendimento médico mais próximo.