19, setembro de 2019
Últimas Notícias
Capa >> Secretarias >> Planejamento Urbano >> Tremembé próximo de municipalizar trânsito e melhorar mobilidade urbana
Tremembé próximo de municipalizar trânsito e melhorar mobilidade urbana

Tremembé próximo de municipalizar trânsito e melhorar mobilidade urbana

Com a participação dos demais agentes envolvidos na temática do trânsito, o  município de Tremembé deu partida a ações para efetivar a municipalização do setor. Convocadas pelo prefeito Marcelo Vaqueli as partes se reuniram na última quarta-feira (24/06) e retomaram a discussão, com as partes se comprometendo a acompanhar a adoção de medidas até o fim de processo de municipalização.

A meta do prefeito é melhorar a mobilidade urbana. A adequação do sistema de transporte público (transporte coletivo, táxis, mototáxi), mudança no sistema de estacionamento,  sinalização horizontal e vertical nas ruas centrais, colocação de semáforos em vias de grande movimentação, alteração de fluxos de veículos e outras medidas, deverão ser implementadas tão logo seja confirmada a inscrição do município no Sistema Nacional de Trânsito.

Além do Prefeito Marcelo Vaqueli, participaram do encontro o conselheiro do CETRAN Marks Ointijja, o Especialista em Políticas Públicas e Trânsito do Detran Daniel Bonatti, o Chefe de Gabinete e Secretário de Saúde José Márcio Araujo Guimarães, o Coordenador de Trânsito César Augusto Marques e o Coordenador de Agricultura Isaac do Carmo.

A municipalização do trânsito, exigida desde 1998 com o Código de Trânsito Brasileiro, e a Lei de Mobilidade Urbana, vigente desde abril de 2012, trazem diretrizes aos municípios para oferecer eficiência na gestão do trânsito, segurança nos deslocamentos e qualidade do transporte.

A Lei de Mobilidade Urbana exige que até 2015 as cidades com mais de vinte mil habitantes, que correspondem a 29,7% do total, apresentem seus planos de mobilidade para receber recursos federais para o setor. No Brasil, desses 1.653 municípios 52,9% (874) concluíram a municipalização do trânsito. A medida transmite a cada prefeitura a responsabilidade sobre o trânsito da cidade. Favorece a atuação mais próxima da comunidade e oferece autonomia para gerir o trânsito de forma integral. O trânsito é dinâmico e a forma como as pessoas transitam tem influência direta do meio. Novos comércios e indústrias, que são polos geradores de tráfego, por exemplo, requerem que o município planeje essas mudanças e atue para oferecer as melhores condições de segurança e de ordenação do tráfego, por meio de sinalização e fiscalização.

 

 

(Visited 14 times, 1 visits today)